Ainda mais estratégicas na eleição de 2018, a primeira presidencial sem permissão para doações de empresas, as redes sociais, terra dos memes e polarizações, já não estão hoje tão interessadas nos principais cotados para a disputa como no início do ano. Levantamento do Núcleo de Dados do GLOBO revela que em junho os perfis de sete presidenciáveis no Facebook somaram queda de 66% em suas interações mensais em comparação a janeiro, quando apresentaram pico de curtidas, comentários e compartilhamentos nos últimos seis meses.

Isso significa que a média de interações por cada postagem, considerando todos os possíveis candidatos, caiu de 42,8 mil para 14,6 mil. Em números absolutos, o total de curtidas, comentários e compartilhamentos passou de 13,5 milhões para 7,1 milhões no último mês. Todos os presidenciáveis chegaram com saldo negativo ao fim do primeiro semestre (clique na imagem para abrir o gráfico interativo).