Participantes se inspiram em filmes, séries e em sua própria vida para criar máquinas diferentes; concurso garante aos vencedores ingressos para a próxima edição.










Os novatos, que neste ano formam a maioria de competidores na categoria de CaseMods, estão longe de receber grandes investimentos, mas isso não reduz a empolgação. O português radicado no Brasil, Ricardo Fernandes, de 45 anos, desenhou o próprio computador e desembolsou R$ 6 mil para deixá-lo pronto para a competição.

Estratégia. Game of Thrones foi o tema escolhido pelo tenente da polícia militar de Curitiba, Diego da Silva, de 32 anos, para modificar seu próprio computador. Para ficar mais próximo possível da série, revestiu parte da máquina com couro e criou peças que remetessem ao rigoroso inverno do norte da região onde a série de ficção se passa.

Premiação. Segundo o regulamento da Campus Party, o campeonato de CaseMod é dividido em duas categorias: iniciante e avançado. Os três primeiros lugares de cada etapa ganham entradas para a próxima edição da Campus Party Brasil, planejada para o fim de janeiro de 2019. Neste ano, o ingresso para participar do evento custou R$ 360.