Dando um novo sentido à frase “você é o que você veste”, o informante por trás da denúncia e investigação do escândalo da agora falecida firma de coleta e análise de dados Cambridge Analytica disse que a empresa usou preferências de vestuário dos usuários do Facebook para ajudar a rede social na criação de algoritmos de direcionamento de mensagens políticas.

Christopher Wylie, ex-funcionário da Cambridge Analytica, mostrou à Bloomberg dados que mostravam, por exemplo, que quem vestia roupas da marca Abercrombie & Fitch tinha tendências ao liberalismo, ao passo que quem gostava da linha de jeans Wrangler mostrava preferências à “ordem” e conservadorismo. 
De forma resumida, respectivamente, eleitores do Partido Democrata e do Partido Republicano, nos EUA. Indo além dos vestuários e partindo para hábitos de consumo, leitores da revista Vogue tendiam ao Partido Democrata. O mesmo vale para consumidores de produtos da gigante varejista Macy’s.