Resultado de imagem para facebook


Consumidores recebem anúncios com base em atividades realizadas fora da plataforma. Uma compra em um supermercado pode virar munição para propagandas no Facebook.


Você já ouviu relatos de pessoas que compraram em uma loja física e, depois disso, foram alvos de anúncios no Facebook? Isso acontece por causa de parcerias entre a rede social e empresas do varejo.


O Facebook recebe informações sobre o que as pessoas estão comprando, online ou em lojas físicas. Os próprios varejistas passam os dados de consumidores para a plataforma de Mark Zuckerberg. Essas informações são usadas para segmentar anúncios.


Como funciona?


Depois que alguém faz uma compra, o varejista que quer segmentar seus anúncios no Facebook pode enviar à plataforma detalhes do que foi comprado, além de informações como nome, e-mail e telefone, que permitem à rede social associar a compra a um usuário.


Todos os dados são agrupados antes de serem enviados ao Facebook e codificados pela plataforma. A empresa garante que deleta os dados depois de associar a compra a um usuário. Depois que o Facebook sabe quem comprou o quê, vende anúncios que serão exibidos diretamente para um público personalizado.


Ferramentas de controle


Os usuários têm a opção de não receber anúncios com base em atividades offline, como uma compra feita em uma loja de shopping, por exemplo. A opção por autorizar o uso de outras informações é automática. Quem quiser mudar esta configuração precisa ir até a aba Anúncios nas configurações da plataforma.


Nesse ano, o Facebook lançou uma ferramenta que permite ao usuário analisar as informações coletadas fora do plataforma e usadas para direcionar anúncios. Por enquanto a funcionalidade não está disponível para os brasileiros.


Os anúncios valem ouro


Os anúncios são responsáveis pela maior parte da receita do Facebook. Dos US$ 17,6 bilhões faturados pela empresa no terceiro trimestre de 2019, US$ 17,3 bilhões vieram de anúncios.


Ferramentas de hipersegmentação aliadas a informações demográficas precisas sobre os usuários fazem do Facebook uma ferramenta poderosa para os varejistas.