A operação de renovação interna do Messenger visa preparar a plataforma para ser a fundação para as funcionalidades de troca de mensagens entre os produtos do Facebook. 

No entanto, esta reconstrução completa permitiu também a redução de 84% do número de linhas de código do Messenger, de 1,7 milhões para 360 mil. A nova versão do Messenger, para já apenas para iOS, pode ser carregada duas vezes mais rapidamente, avança a ZDNet.

Com a introdução de novas funcionalidades como pagamentos, efeitos de câmara, GIFs e chats de vídeo, o Facebook Messenger chegava a ter um tamanho superior a 130 MB nos telefones dos utilizadores. A equipa de mais cem engenheiros envolvida neste projeto trabalhou com vista ao objetivo de que “fundamentalmente, uma app de mensagens deve ser uma das mais pequenas e mais leves no sistema do telefone”.


A arquitetura unificada agora empregue vai permitir minimizar a complexidade, reduzir as redundâncias e lançar o caminho para uma maior otimização.


Parte da estratégia para conseguir esta redução passa por usar componentes nativas do sistema operativo sempre que possível, em vez de optar por abstrações por cima do SO, e construir bibliotecas o mais pequenas possíveis para as necessidades específicas.


Por outro lado, a equipa reaproveita componentes da Interface de Utilização sempre que conseguiu. Um exemplo muito concreto desta última parte refere-se à lista de contactos: até esta atualização, havia cerca de 40 listas de contactos com pequenas diferenças de uma para outra, o que levava a um aumento desnecessário da aplicação.