Zoom 5.0

Uma das críticas que o Zoom recebeu diz respeito à criptografia do serviço, que não é realmente ponta a ponta, apesar de a empresa sugerir o contrário. A atualização não traz esse recurso, mas ao menos a plataforma passa a suportar criptografia AES de 256 bits GCM.

Isso significa que transmissões via Zoom Meeting, Zoom Video Webinar e Zoom Phone, por exemplo, agora estão um pouco mais protegidas contra invasões e interceptações de dados.

Entre clientes corporativos, existe a preocupação de dados serem capturados ou reuniões monitoradas quando o tráfego da transmissão passar por servidores do Zoom na China. Essa é uma das razões para o Zoom 5.0 permitir que os administradores escolham por quais data centers suas transmissões poderão trafegar.

Outra novidade é a ativação por padrão de senhas para a maioria dos clientes, medida que já vinha sendo tomada para combater o zoombombing, nome dado às invasões de reuniões desprotegidas (uma delas, no Brasil, exibiu fotos de Hitler no meio da transmissão).

No caso de contas corporativas, os administradores poderão até definir parâmetros de complexidade de senha, como exigir uso de caracteres especiais e mistura de letras com números.

Já a função de sala de espera passa a ser ativada por padrão, mesmo em contas básicas ou profissionais de licença única. Com ela, o organizador pode manter participantes em uma espécie de sala virtual antes de eles entrarem em uma transmissão. O recurso permite que pessoas não autorizadas sejam identificadas e tenham seu acesso à reunião barrado.

Outras novidades incluem a disponibilização de um atalho que dá acesso aos principais recursos de segurança, compartilhamento seguro de contatos e o aprimoramento do painel de controle para administradores.