Era 29 de julho quando um influenciador britânica Nyome Nicholas-Williams foi capturada em uma imagem com os olhos fechados e os braços envolvendo os seios pela fotógrafa Alexandra Cameron. Ao compartilhar o clique em seu perfil no Instagram no dia seguinte, a publicação foi derrubada pela plataforma por desrespeitar as normas de nudez. Desde então, um modelo plus-size critica a diferença no tratamento com outras mulheres, por meio de uma campanha online, cujo resultado veio três meses depois.

A partir de quarta (28), entrou em vigor a nova política do Instagram para fotos relacionadas a nudez e pornografia. A orientação agora é para não retirar imagens em que as mulheres abraçam, seguram ou acariciam o próprio seio. Segundo a plataforma, a intenção é evitar que fotos de "corpos gordos e maiores sejam removidas erroneamente".

A revisão da política da rede social só foi possível graças a um abaixo-assinado capitaneado por Nyome, que reuniu mais de 22 mil assinaturas. O protesto ganhou ainda mais vigor na internet com o apoio de usuários pela hashtag #iwanttoseenyome (eu quero ver Nyome, em tradução livre).

Aos 28 anos, a modelo, que já estrelou campanhas de marcas como Adidas, Dove e Boots - além de posar para Vogue -, contou, em entrevista ao The Guardian, que lutou contra um distúrbio alimentar na adolescência e passado por um longo processo de aceitação de seu corpo.

Nas redes sociais, ela incentiva outras mulheres a se amarem do jeito que são e se definir como uma militante do movimento feminista chamado de Body Positive, cujo objetivo é refutar os padrões de beleza impostos pela sociedade. Em sua descrição no site de uma agência de moda, ela afirma enxergar seu corpo e a mesma como "arte".

Quando não está modelando, diz, "defendo a saúde mental, a positividade corporal e o autocuidado". O engajamento em assuntos é visível em seu perfil no Instagram, acompanhado por mais de 70 mil seguidores. Em um de seus posts, sentenciou: "Essa sou eu, assumidamente".

Com fotos seminua, de lingerie ou trajando roupas chiques, Nyome não esconde o sorriso - nem sua opinião. No dia 10 de setembro, ela publicou uma carta aberta direcionada ao Instagram e ao CEO Adam Mosseri, expondo que a retaliação a sua foto não se via com atrizes famosas ou influenciadores que se enquadram no padrão estético.

"Quando Emily Ratajkowski, Kilye Jenner, Playboy, Kim Kardashian e milhões de outras influências notáveis ​​ou celebridades brancas e magras publicam fotos de si quase nuas, suas imagens não são violação às diretrizes da comunidade do Instagram; no entanto, minhas fotos (que menos do meu corpo) são removidas, e minha conta, ameaçada de ser derrubada ", questionou.

Nascida no sul de Londres, Nyome tem descendência jamaicana e dominicana. Começou a carreira como modelo há cerca de quatro anos e, segundo ela, passou a se dedicar mais a encorajar mulheres nos últimos tempos. Mas, longe das redes, há um lado que pouca gente conhece.

"Meus hobbies incluem desenhar, defender mudanças sempre que possível, ver meus amigos e futebol americano - como pessoas não causadoras quando eu digo que adoro, e adoro uma expressão de surpresa quando eu conto", diz em sua descrição no site da agência Contact.